9 jun, 2017
PF vai investigar Gustavo Feijó por suposto esquema de caixa dois

aa224b5f-6ec4-450f-98b8-258eb29a5ccaSegundo a Polícia, Feijó teria pedido à CBF R$ 600 mil para sua campanha em 2012

TNM/Por Vanessa Siqueira e Amanda Falcão*

Crédito: Amanda FalcãoParticiparam da coletiva o Delegado Daniel Silvestre e o Delegado Bernardo Gonçalves de Torres sobre as investigações que podem durar cerca de 30 dias.

O atual prefeito de Boca da Mata e vice-presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Gustavo Feijó, será investigado pela Polícia Federal por suposto esquema de caixa dois e corrupção eleitoral.  A Operação Bola Fora cumpriu, na manhã desta sexta-feira (09), mandados de busca e apreensão na Federação Alagoana de Futebol (FAF) e nas residências de Feijó e seu filho, Felipe Feijó, atual presidente da Federação.

Segundo o superintendente da Polícia Federal em Alagoas, Bernardo Gonçalves de Torres, a operação deflagrada hoje visa buscar evidências de suposto esquema de caixa dois, onde o beneficiário seria o atual prefeito de Boca da Mata e Vice presidente da CBF. Os recursos investigados teriam financiado sua candidatura a prefeitura do município alagoano em 2012.

A investigação que deu origem à Operação Bola Fora foi a Operação Durkheim, deflagrada em 2012, que apurou um esquema de espionagem e que tinha como alvo o então vice-presidente da CBF, Marco Polo Del Nero. Foi durante a fase de coleta de provas pela CPI do Futebol, que foram constatados a troca de e-mails entre Gustavo Feijó Del Nero, onde o alagoano solicitava apoio financeiro para sua campanha a prefeito em Boca da Mata. Segundo a Polícia Federal, Feijó teria solicitado R$ 600 mil.

“Essa descoberta da CPI foi divulgada na imprensa e o delegado regional eleitoral de Alagoas tomou conhecimento, diligenciou no sentido de obter essas provas e após conseguir obter essas provas consistentes ele representou e a Polícia Federal está executando os mandados. Nessas mensagens eletrônicas, o então presidente da FAF [Gustavo Feijó] revelou que estaria empregando cerca de R$ 2 milhões em sua campanha eleitoral, embora só tenha declarado à Justiça Eleitoral R$ 105 mil. Há portanto, evidências de um crime de caixa 2”, explicou.

A Polícia Federal em Alagoas deve intimar outras pessoas a depor nos próximos dias e passa agora a investigar a origem desse dinheiro para essa campanha, se houve a utilização da estrutura da CBF e da Federação Alagoana de Futebol e a possibilidade de lavagem de dinheiro e transação de ativos.

Leia também: Gustavo Feijó, alvo de operação da PF, diz ter consciência tranquila

Apreensão de documentos e autuação de presidente da FAF

Durante o cumprimento dos mandados, os agentes federais estiveram na sede da Federação Alagoana de Futebol (FAF), no bairro da Jatiúca, na residência do atual presidente da Federação, Felipe Feijó e na residência de Gustavo, em Boca da Mata.

Em todos os locais foram apreendidos celulares, computadores, mídias e documentos. Durante a visita a residência de Felipe Feijó, os agentes apreenderam uma pistola calibre 380. Ele foi encaminhado à sede da Polícia Federal, onde foi autuado por porte ilegal de arma de fogo. Ele foi liberado após o pagamento de fiança.  A Polícia Federal não divulgou o valor.

*Colaboradora

Delegado Bernardo Gonçalves de Torres falou na manhã desta sexta-feira (09) sobre a investigação durante coletiva na Polícia Federal.

Leave a comment

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>