20 mar, 2018
MPE quer suspensão de alvarás em bairros onde foram registrados tremores

Prefeitura tem 30 dias para que seja entregue laudo com conclusões dos serviços técnicos

TNM/Por Gazetaweb | com assessoria   
FOTO: Divulgação/Assessoria

Antônio Jorge Sodré recomenda suspensão de alvarás da Prefeitura de Maceió

O Ministério Público Estadual (MPE/AL) recomendou à Prefeitura de Maceió que não seja liberado nenhum tipo de alvará de execução de obras para edificação na região onde foram registrados tremores de terra nos meses de fevereiro e março deste ano.

Além disso, foi dado um prazo de 30 dias para que seja entregue à instituição um laudo confeccionado, a partir das conclusões dos serviços técnicos e especializados chamados pela gestão municipal, para analisar as causas dos abalos sísmicos.

Segundo o promotor de justiça Antônio Jorge Sodré, até o efetivo conhecimento das causas reais do fenômeno geológico, a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Territorial e Meio Ambiente deve se abster de liberar alvarás de construção nas áreas onde estão os bairros do Pinheiro, Mutange e Bebedouro.

“Sei que a Prefeitura de Maceió já iniciou a apuração das causas desses tremores, entretanto, até o presente momento, não se chegou a nenhuma conclusão. Uma audiência pública foi realizada capitaneada pela Câmara de Vereadores, mas nada foi elucidado categoricamente. Tudo ainda está no campo das hipóteses. E considerando que os abalos danificaram as vias públicas e prejudicaram residências, edifícios e estabelecimentos comerciais, acreditamos que os gestores não devem permitir nenhum tipo de construção no local, pelo menos até sabermos o que, de fato, aconteceu no solo daquela região”, afirmou o promotor.

A recomendação ainda foi enviada para a Secretária Municipal de Desenvolvimento Sustentável, por conta das atividades já desenvolvidas pela Secretária Adjunta Especial de Defesa Civil do Município de Maceió, para que promova a confecção de um laudo técnico a partir de informações do Serviço Geológico do Brasil (SGB), Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais (CPRM) e Superintendência de Recife (SUREG/RE). Nesse relatório técnico devem constar a apresentação do tema, a respectiva análise e discussão das causas dos abalos ocorridos e outras informações que sejam necessárias para a investigação dos tremores.

As diretorias dos órgão especializados foram comunicadas para que apresentem seus próprios laudos ao Ministério Público, também no prazo de 30 dias.

Leave a comment

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>