A Secretaria de Estado da Cultura (Secult) lançou o edital de inscrição para o Livro de Registro do Patrimônio Vivo do Estado de Alagoas, disponível no Diário Oficial do Estado desta terça-feira (3). Na edição serão preenchidas duas vagas, destinadas para representantes da cultura popular do Estado. As inscrições seguem até o dia 2 de maio.

O edital de inscrição no Livro de Registro do Patrimônio Vivo do Estado de Alagoas (RPV-AL), criado pela Lei nº 6.513, de 22.09.2004 e alterada pela Lei nº 7.172, de 30.06.2010, reconhecerá como Patrimônio Vivo do Estado da Alagoas mestre e mestras que detenham os conhecimentos ou as técnicas necessárias para a produção e para a preservação de aspectos da cultura tradicional ou popular de uma comunidade estabelecida em Alagoas nas áreas de danças e folguedos da cultura popular, literatura oral e/ou escrita, gastronomia, música, artes cênicas, artesanato, dentre outras.

Será considerado apto a receber o registro de Patrimônio Vivo brasileiro residente em Alagoas há 20 anos, que tenha participação comprovada em atividades culturais no mesmo período e esteja capacitado a transmitir seus conhecimentos ou suas técnicas à sociedade, de forma presencial ou por intermédio dos mais diversos meios de comunicação.

Uma comissão especial composta por cinco representantes de entidades relacionadas à cultura irá analisar e avaliar os candidatos, segundo os critérios de sustentabilidade cultural, currículo do participante, reconhecimento na sua comunidade e por outros segmentos como transmissor e fomentador desse saber e cultura dos povos tradicionais (indígenas e/ou quilombolas).

Os candidatos devem se inscrever através de um formulário padrão disponível no portal da Secretaria de Estado da Cultura, através do endereço eletrônico www.cultural.al.gov.br e entregá-lo devidamente preenchido no setor de Protocolo da Secult, de segunda à quinta-feira, das 9h às 13h, e na sexta-feira, das 9h às 12h. A Secult fica localizada na Praça Marechal Floriano Peixoto, 517, Centro.

Para a secretária de Estado da Cultura, Mellina Freitas, reconhecer a arte e a vida dos mestres é uma forma de homenagear estes personagens marcantes da cultura alagoana. “É importante reconhecer esses artistas que preservam nossa cultura, repassando os seus saberes populares para as novas gerações”, disse.