7 mai, 2018
Trump diz que acordo nuclear com o Irã foi muito mal negociado

Trump deve anunciar até 12 de maio se Washington vai abandonar o acordo assinado em julho de 2015 pelos membros permanentes do Conselho de Segurança de la ONU (China, Estados Unidos, França, Grã-Bretanha e Rússia), mais Alemanha e Irã.


Irã adverte EUA sobre eventual saída do acordo nuclear
“Trump deve saber que nosso povo está unido, o regime sionista (Israel) deve saber que nosso povo está unido”, declarou o presidente iraniano, Hassan Rohani

“Trump deve saber que nosso povo está unido, o regime sionista (Israel) deve saber que nosso povo está unido”, completou Rohani.

Com o texto, o Irã declara solenemente que não busca produzir a bomba atômica e concorda em frear seu programa nuclear para fornecer ao mundo garantias de que suas atividades não são militares.

Em troca, a República Islâmica conseguiu a retirada gradual e temporária das sanções internacionais impostas em razão desse programa.

Um alto funcionário do governo israelense afirmou no domingo que Trump não informou a seu país se vai abandonar ou não o acordo.

“De fato, eu não sei o que Trump vai dizer porque ele não me contou”, afirmou outro alto funcionário, que pediu anonimato, deixando claro que Israel não foi informado sobre a decisão.

Nos últimos dias, o presidente francês, Emmanuel Macron, tentou salvar o acordo. Rohani respondeu que o texto “não é negociável”.

O ministro britânico das Relações Exteriores inicia nesta segunda-feira uma visita de dois dias a Washington e o acordo nuclear com o Irã domina a agenda.

Boris Johnson tem reuniões previstas com o vice-presidente Mike Pence, o conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca, John Bolton, e congressistas que atuam na Comissão de Relações Exteriores.

Johnson já declarou que o Reino Unido, que segue comprometido com o acordo, Estados Unidos e Europa estão “unidos em seus esforços para enfrentar o comportamento iraniano, que torna menos seguro o Oriente Médio, suas atividades cibercriminosas, seu apoio a grupos como o Hezbollah e seu perigoso programa de mísseis”.

O apoio do Irã ao presidente sírio Bashar al-Assad, por meio do grupo armado libanês Hezbollah na guerra civil síria, e seu respaldo aos rebeldes huthis, também xiitas, no Iêmen aumentam a tensão entre Teerã e os países ocidentais.

Leave a comment

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>