As brasileiras Tatiele Polyana e Gleicy Santos foram criticadas nas redes sociais após postarem fotos em que aparecem de biquíni para falar sobre a terrível passagem do furacão Dorian pelas Bahamas, com grande destruição e com, pelo menos, sete mortes. Críticos condenaram os modelitos exibidos e as poses das fotos. “Meu coração está em pedaços….

As brasileiras Tatiele Polyana e Gleicy Santos foram criticadas nas redes sociais após postarem fotos em que aparecem de biquíni para falar sobre a terrível passagem do furacão Dorian pelas Bahamas, com grande destruição e com, pelo menos, sete mortes. Críticos condenaram os modelitos exibidos e as poses das fotos.

“Meu coração está em pedaços. Há poucas semanas eu tive a oportunidade de conhecer essa imensidão de água clarinha, realmente um PARAÍSO, que tristeza meu Deus ver o desespero das pessoas nos vídeos, tantas casas, carros, hospitais e lugares tudooo sendo devastado por esse maldito furacão! Vamos orar por #Bahamas”, escreveu no Instagram a ex-BBB e musa fitness Tatiele, ao lado de uma foto em que aparece de biquíni no mar cristalino das Bahamas.

“Uma foto muito esquisita escolhida por você para mostrar sua preocupação com Bahamas”, rebateu, em inglês, um usuário da rede.

Já Gleicy postou:

“Muito triste ler as notícias sobre #Bahamas, uma das mais belas praias que visitei e nas quais fotografei. Meus coração está com as famílias que perderam as suas casas.”

A modelo brasileira sofreu várias críticas pela postagem. A página não está mais disponível no Instagram.

Outras usuárias do Instagram também foram alvo de repúdio por postagens semelhantes sobre Bahamas e Dorian, como abaixo:

Os estragos no paraíso do Caribe foram enormes, conforme relatos de envolvidos:

“A devastação é total, tudo foi dizimado, é apocalíptico”, disse Lia Head-Rigby, que trabalha na ajuda aos desalojados, à agência AP. “Não estamos reconstruindo, temos que construir de novo”, acrescentou.

“Estamos no meio de uma das maiores crises da nossa história”, declarou o premier de Bahamas, Hubert Minnis.

De acordo com número oficiais, 60 mil pessoas ficaram sem água e comida. Treze mil casas foram seriamente danificadas. Uma missão militar de EUA, Canadá e Reino Unido chegou às Bahamas para distribuição de bens de primeira necessidade.