CRB vence, classifica e assume liderança; CSA perde para o ASA e entra em modo pressão

A retomada do futebol em Alagoas trouxe situações bem distintas para CRB e CSA. Enquanto o CRB venceu e convenceu, o Coruripe por 3 a 0, o CSA não fez um bom jogo e foi derrotado pelo ASA por 2 a 0.

Erik comemora o terceiro gol: craque do jogo e vivo na disputa por titularidade – Foto: Pei Fon – TNH1

Uma final antecipada na semifinal?

A retomada do futebol em Alagoas trouxe situações bem distintas para CRB e CSA. Enquanto o CRB venceu e convenceu, o Coruripe por 3 a 0, o CSA não fez um bom jogo e foi derrotado pelo ASA por 2 a 0.

Com o resultado, o CRB assumiu a liderança, garantiu classificação para a semifinal e deixou uma impressão positiva para o seu torcedor após o desempenho ruim contra o Ceará. Já o CSA foi ao contrário. Depois de ter entusiasmado o torcedor contra o ABC, voltou a gerar uma grande desconfiança por ser derrotado por uma equipe com oito dias de treinamento.

CSA foi derrotado pelo ASA: alvinegro entra na briga por semifinal – Foto: Matheus Pimenta-ASCOM CSA

O resultado também prepara ambientes bem distintos para o clássico. O CRB tira pressão e deverá até usar um time reserva no confronto. Já o CSA precisará mudar mostrar algo que possa trazer de volta a confiança nesta reta final da competição.

CRB x Coruripe

CRB apresentou uma mecânica na organização ofensiva que destruía a Organização defensiva do Coruripe que marcava por encaixes , Amplitude e Profundidade nos corredores laterais são ofertadas pelos laterais Lucas 2 e Igor 6 , já os extremos flutuam para atacar as costas dos volantes e causando dúvida no encaixe dos laterais e Diego Torres tem sempre opção de triangulação e ou acionar corredores laterais – Imagem: Marlon Araújo – Tatical Pad

A principal novidade do CRB para o confronto com o Coruripe foi a escalação de Magno Cruz jogando como extremo pelo lado direito no lugar de Luidy. O técnico Marcelo Cabo desejava com isso criar uma mecânica ofensiva diferente. Tudo começava com os volantes ficando mais presos, a liberação dos laterais ao mesmo tempo, saída de jogo em três e a flutuação dos extremos aparecendo nas costas dos volantes adversários.

Como a marcação do Coruripe era de encaixe, a constante movimentação, a flutuação dos extremos desarrumava a organização defensiva do Coruripe. No primeiro tempo esta mecânica fez o CRB funcionar mais pelo lado direito e apareceu muito o Lucas Mendes, tanto que a jogada do primeiro gol surge com ele.

Uma prova de que o Coruripe não chegava a marcar direito, é que o Erik construiu a jogada pelo lado direito, trouxe para dentro, pisa na bola e inverte para o lado direito. Magno Cruz fechou, Lucas Mendes passou e fez o cruzamento, mas o primeiro a atacar o espaço foi o próprio Erik que havia feito o passe. A bola foi alçada no meio da defesa e Léo Gamalho marca o primeiro gol.

Construção do lance que originou o primeiro gol do CRB

A mecânica de jogo proporcionava ao meia Diego Torres recuar um pouco, pegando a bola próximo aos volantes, olhando para frente e tendo diversas opções para o lançamento. Como o meia argentino tem a qualidade do passe longo, ele pode acionar os corredores, seja no mesmo lado que ele está ou usando a inversão, também tem a possibilidade de triangular com os extremos e até mesmo acionar o Léo Gamalho como pivô. Com esta mecânica, o CRB envolveu o Coruripe e poderia ter vencido a primeira etapa com mais facilidade.

No segundo tempo, o Coruripe fez uma troca tirando o lateral Indio, que não achou o Magno Cruz na etapa inicial, não achou o Lucas Mendes e tirou o Danillo, que não encontrou o Diego Torres, trazendo o Queiroz, que é um volante com maior poder de marcação.

Mas o CRB fez mais uma vez a movimentação que confundia o time do Coruripe. Aos quatro minutos, Léo Gamalho faz um movimentação e atrai a marcação dos zagueiros, Diego Torres faz um lindo lançamento, colocando a bola no ponto futuro e Erik entra sozinho, em velocidade, dribla o goleiro e faz um lindo gol. Isso deu mais tranquilidade.

Rommel Vieira , técnico do Coruripe, preencheu mais o meio, colocou três zagueiros, mas Marcelo Cabo contra atacou colocando três atacantes, trazendo Felipe Menezes para voltar e tentar readquirir ritmo e foi questão de tempo para o galo fazer o gol que deu números finais à partida , novamente Erick finalizou com precisão no ângulo.

Craque do jogo: Erik (CRB) – Garçom: Diego Torres (CRB) – Melhor treinador: Marcelo Cabo – Árbitragem de Jonata Gouveia fez uma boa partida, nota 8.

Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Veja também: