PF faz operação contra grupo que pede prisão de ministros do STF

Foram cumpridos 3 mandados de busca e apreensão em Brasília (DF), Uberlândia (MG) e Taboão da Serra (SP). Um dos alvos é Renan Silva Sena, ex-funcionário do Ministério dos Direitos Humanos, demitido em 5 de maio depois de divulgar vídeo com ofensas a autoridades
TNM/Poder360

A Polícia Federal deflagrou nesta 6ª feira (27.nov.2020) a operação Estabilidade, que investiga 1 grupo que fazia propaganda, em redes sociais, pedindo intervenção militar e a prisão de ministros do STF (Supremo Tribunal Federal).

Foram cumpridos 3 mandados de busca e apreensão em Brasília (DF), Uberlândia (MG) e Taboão da Serra (SP). Um dos alvos é Renan Silva Sena, ex-funcionário do Ministério dos Direitos Humanos, demitido em 5 de maio depois de divulgar vídeo com ofensas a autoridades.

A investigação teve início após a publicação de vídeo realizado na frente do prédio do Supremo, por 2 dos investigados, em redes sociais, nas quais solicitavam intervenção militar e afastamento e prisão de 9 ministros do STF. Segundo a PF, com o aprofundamento das análises, “foi possível constatar a participação deles em diversos atos do tipo, inclusive com a arrecadação de fundos para financiar o movimento”.

O processo tramita na 15ª Vara Federal do Distrito Federal, e os envolvidos podem responder pelos crimes definidos na Lei de Segurança Nacional (Lei 7.170/1983), como fazer, em público, propaganda de processos violentos ou ilegais para alteração da ordem política ou social e distribuição ou redistribuição de fundos destinados a realizar propagandas violentas. As penas para esse tipo de crime variam de 1 a 4 anos de detenção ou reclusão.

Renan Sena é apoiador do governo do presidente Jair Bolsonaro. Em 15 de junho, ele foi detido pela Polícia Civil por crimes de calúnia e injúria, após divulgar vídeo com ofensas contra autoridades dos Três Poderes e o governador do DF, Ibaneis Rocha (MDB). No entanto, foi liberado após assinar 1 termo de comparecimento em juízo.

Além disso, Sena também é suspeito de “narrar o vídeo” em que manifestantes simularam 1 bombardeio ao Supremo com o lançamento de fogos de artifício. O episódio ocorreu em 13 de junho, quando cerca de 30 apoiadores do presidente se reuniram em frente ao prédio do órgão. O ato foi em reação ao desmonte de acampamentos de integrantes do grupo “300 do Brasil” pelo governo do Distrito Federal.

Reprodutor de vídeo de: YouTube (Política de PrivacidadeTermos)

Em 22 de junho, Ibaneis apresentou uma queixa-crime contra Sena. No documento apresentado à Justiça, o governador disse que o suspeito injuriou e difamou o chefe do Executivo local em 1 vídeo que circula nas redes sociais.

Antes disso, em maio, Sena foi indiciado por injúria e agressão contra enfermeiras durante ato realizado por profissionais de saúde, na Praça dos Três Poderes, em memória às vítimas da covid-19. O investigado foi filmado, em 1° de maio, xingando enfermeiras e empurrando uma delas.

Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Veja também: