‘Fez piada com falta de ar’: a evangélica que pediu perdão público por voto em Bolsonaro

"Eu tenho bronquite asmática. Eu sei o que é ficar sem ar. Isso me doeu e eu entendi que ele estava agindo com impiedade, como um anti-cristão totalmente." "Mudei de opinião durante a pandemia, quando ele começou a imitar alguém que estivesse morrendo sem ar. Ele não comprava vacina e ficava dizendo: 'é só uma gripezinha e ficava imitando alguém arfando, tentando respirar'", lembra.
BBC NewsBBC News
Jacqueline Rolim
Jacqueline Rolim, que é pastora da Assembleia de Deus, votou no presidente em 2018. Durante a pandemia, se arrependeu tanto da escolha que fez que chegou a postar um vídeo nas redes sociais pedindo perdão
TNM/BBC News

“Venho publicamente pedir perdão pelo meu voto equivocado para presidente da República do Brasil”. Essa frase foi dita pela pastora Jacqueline Rolim, da Assembleia de Deus, em Brasília, em vídeo postado nas redes sociais. Com as mãos unidas em formato de prece, ela convida outros evangélicos a participarem de um protesto contra Jair Bolsonaro.

Eleitora do presidente em 2018, Jacqueline diz que a “gota d’água” para que se arrependesse a ponto de pedir perdão publicamente foi o dia em que Bolsonaro imitou pessoas com covid com falta de ar.

“Mudei de opinião durante a pandemia, quando ele começou a imitar alguém que estivesse morrendo sem ar. Ele não comprava vacina e ficava dizendo: ‘é só uma gripezinha e ficava imitando alguém arfando, tentando respirar'”, lembra.

“Eu tenho bronquite asmática. Eu sei o que é ficar sem ar. Isso me doeu e eu entendi que ele estava agindo com impiedade, como um anti-cristão totalmente.”

A BBC News Brasil entrevistou Jacqueline Rolim e outras evangélicas com diferentes opiniões políticas para o documentário O Que Pensam as Evangélicas, Que Podem Definir Eleição para Presidente.

O vídeo do pedido de perdão, publicado em setembro do ano passado no Instagram e Facebook, chocou parentes e colegas de Jacqueline na igreja.

Ela chegou a ser excluída do convívio de alguns pastores. Mas acabou conhecendo e se aproximando de outras evangélicas que, como ela, se decepcionaram com Bolsonaro.

Pesquisas de intenção de voto mostram que homens evangélicos continuam com Bolsonaro, mas as mulheres estão praticamente divididas entre Lula e o presidente

“Mudei de opinião durante a pandemia, quando ele começou a imitar alguém que estivesse morrendo sem ar. Ele não comprava vacina e ficava dizendo: ‘é só uma gripezinha e ficava imitando alguém arfando, tentando respirar'”, lembra.
Jacqueline conta que foi excluída do convívio de alguns pastores e parentes após declarar voto em Lula e criticar publicamente Bolsonaro

Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Veja também: