Ex-médico da Prevent Senior diz à CPI que era obrigado a receitar kit covid

A CPI passou a investigar a Prevent Senior depois que um grupo de 12 médicos e ex-médicos da operadora, cujos nomes permaneciam até então sob sigilo, acusaram a operadora de planos de saúde de usar pacientes de covid como cobaias do tratamento precoce.

Poder360

Médico ex-Prevent Senior afirmou ter sido proibido de usar máscara no hospital da rede
O médico Walter Correa de Souza Neto, que trabalhou na Prevent Senior, afirmou nesta 5ª feira (7.out.2021) à CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid no Senado que era obrigado, contra a sua vontade, a receitar um pacote com hidroxicloroquina e ivermectina a pacientes com coronavírus. Ele disse que atendeu a ordem nos primeiros meses da pandemia, mas, com a disseminação de estudos apontando a ineficácia dessas substâncias no tratamento da covid, passou a recomendar aos doentes que tomassem “só as vitaminas” incluídas no “kit covid”.
TNM/Por Nicholas Shores

Souza Neto descreveu um clima de obediência à hierarquia e intimidação na Prevent Senior contra profissionais que resistissem à prescrição de substâncias do chamado “tratamento precoce“, muitas vezes sem antes haver nem sequer o diagnóstico de covid e exames laboratoriais para evitar efeitos colaterais descrito na bula desses remédios. Também presta depoimento nesta 5ª feira (7.out) o advogado Tadeu Frederico de Andrade, paciente da operadora de planos de saúde que relatou pressão de médicos da empresa sobre sua família para retirá-lo da UTI e transferi-lo para um leito “híbrido”, onde ficaria sedado até morrer.

Em sua fala à CPI, Souza Neto lembrou o caso de Paola Werneck, funcionária da Prevent Senior que enviou mensagem a um colega reforçando a diretriz de prescrever hidroxicloroquina para todos os pacientes de covid-19, independentemente da gravidade da doença. Espirrou, toma, escreveu a médica.

Para defender a adoção do tratamento precoce, segundo Souza Neto, a empresa teria apresentado resultados fraudulentos de estudos sobre o efeito da hidroxicloroquina e ivermectina.

No começo, existia ainda uma esperança. Assim, a gente… Essa coisa que foi citada de que os pacientes… ‘Ninguém vai a óbito, ninguém intuba.’ Isso já era muito claro, a gente sabia que era fraude. A gente… Além de o estudo ser muito ruim, quando foi publicado em abril, no meio de abril, me parece, era consenso entre os próprios médicos de que isso foi um estudo muito ruim. Eles estão dizendo que os pacientes estão… na mídia, que não houve ninguém intubado, mas, não, eu internava pacientes que haviam tomado o kit, acompanhava esses pacientes depois pelo prontuário durante a internação e via esses pacientes internarem, irem a óbito“, afirmou.

Procurada, a Prevent Senior declarou que repudia as “acusações infundadas” levadas à CPI da Covid e à imprensa com base em “mensagens editadas, truncadas ou tiradas de contexto“.

“A denúncia mais grave é sugerir que os médicos da empresa optem pela adoção de cuidados paliativos para matar pacientes e economizar recursos, o que tanto os médicos quanto a direção da empresa veementemente contestam“, afirmou a Prevent Senior (leia a nota completa mais abaixo).

Souza Neto também declarou que, em uma fase de aceleração do contágio pelo novo coronavírus em que vários colegas adoeceram e tiveram que ser intubados, começou a usar máscara no pronto socorro. Quando uma coordenadora o viu com o equipamento de proteção, mandou que o retirasse imediatamente “para não assustar os pacientes“.

A falta de autonomia é tanta que você não tem autonomia para proteger a sua própria vida. Então, o que vale é manter a engrenagem da empresa girando. Se aquilo ali atrapalhar de alguma forma o jogo, a sua vida pouco importa. Então, eu tive que tirar a máscara e continuar trabalhando sem máscara“, disse Souza Neto.

Eis a íntegra da nota da Prevent Senior:

O depoimento do médico Walter Correa Neto não trouxe fatos, apenas narrativas que faltam com a verdade. Mais uma vez, a Prevent Senior nega e repudia as acusações infundadas levadas à CPI da Covid e à imprensa com base em mensagens editadas, truncadas ou tiradas de contexto.

A denúncia mais grave é sugerir que os médicos da empresa optem pela adoção de cuidados paliativos para matar pacientes e economizar recursos, o que tanto os médicos quanto a direção da empresa veementemente contestam.

A Prevent está colaborando para que órgãos técnicos, como o Ministério Público e Polícia Civil, investiguem todas estas acusações para restabelecer a verdade dos fatos.

Entenda o caso

A CPI passou a investigar a Prevent Senior depois que um grupo de 12 médicos e ex-médicos da operadora, cujos nomes permaneciam até então sob sigilo, acusaram a operadora de planos de saúde de usar pacientes de covid como cobaias do tratamento precoce.

Antes, já prestaram depoimento à comissão a advogada Bruna Morato, que representa o grupo de profissionais que dizem ter sido coagidos pela diretoria da Prevent Senior para receitar a pacientes um kit fechado com substâncias ineficazes no tratamento de covid, como hidroxicloroquina e ivermectina, e o diretor-executivo da empresa, Pedro Benedito Batista Júnior.

Morato afirmou ter ouvido de seus clientes que a cúpula da rede de hospitais definiu em reunião que produziria estudos para colaborar com a defesa do governo federal do tratamento precoce. Esse “alinhamento ideológico” seria uma forma de dar à população uma suposta tranquilidade para circular normalmente mesmo em momentos críticos de contágio da pandemia, contrapondo-se a agentes que instituíram restrições conhecidas como lockdowns.

Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Veja também: