Foto: Luciana Beder/ Cada Minuto 36194c3d e327 4122 9c90 34ee4a717513 Governador fala sobre medidas para seca em AL

Por causa da seca em Alagoas, o governador Renan Filho (MDB) e o presidente da Associação dos Municípios Alagoanos (AMA), Hugo Wanderley, se reuniram nesta segunda-feira (22), com os prefeitos das 38 cidades atingidas pela seca. O governador disse que a Defesa Civil vai apresentar um plano de trabalho de como a água vai chegar em todas as comunidades levantadas e que R$ 8 milhões serão investidos pela minimzar os efeitos da seca.

De acordo com Renan, o Ministro da Integração confirmou que o Governo Federal vai liberar R$ 5 milhões e o Governo de Alagoas vai entrar com R$ 3 milhões para que minimizem os efeitos da seca.

“Temos segurança do trabalho que vai ser feito. Foi definido com o Ministério que vai mandar recursos baseados em um plano de trabalho que foi feito pela Defesa Civil”, destacou o governador.

Foto: Luciana Beder/Cada Minuto

Conforme Renan, a perfuração de poços artesianos é uma das medidas que o Governo vai tomar para que a água chegue para esses municípios. O governador também ressaltou que uma das prioridades é levar a água para consumo humano visto que a seca no estado é uma realidade e que esse ano não teve “inverno” em Alagoas.

“Vamos começar com a perfuração dos poços que foi uma política que deu certo no passado para que cheguemos em mais lugares e tirar as comunidades da dependência do carro pipa”, comentou Renan.

O presidente da AMA afirmou que esse foi um ano difícil e que tem se agravado pela falta de água para o consumo humano. “Esperamos que o socorro chegue a tempo, mas também sabemos que os prefeitos estão investindo com recursos próprios utilizando frotas de carros pipa e por isso pedimos socorro ao Governo de Alagoas e ao Governo Federal”.

Desde agosto, através do Decreto nº 60.040, o Governo reconheceu a situação de emergência em 38 municípios alagoanos. A medida foi tomada por considerar que compete ao Estado a preservação do bem-estar da população e das atividades socioeconômicas das regiões atingidas por eventos adversos.

No decreto, o Governo reconhece a redução das chuvas para níveis pluviométricos sensivelmente inferiores aos normais e a queda drástica das reservas hídricas de superfície, provocando perdas significativas na agricultura e agropecuária. A situação também afeta, sobremaneira, o abastecimento d´água para o consumo humano e animal.

Os municípios afetados em Alagoas são: Água Branca, Arapiraca, Batalha, Belo Monte, Cacimbinhas, Canapi, Carneiros, Coité do Noia, Craíbas, Delmiro Gouveia, Dois Riachos, Estrela de Alagoas, Girau do Ponciano, Igaci, Inhapi, Jacaré dos Homens, Jaramataia, Lagoa da Canoa, Major Isidoro, Maravilha, Mata Grande, Minador do Negrão, Monteirópolis, Olho D’água das Flores, Olho D’água do Casado, Olivença, Ouro Branco, Palestina, Palmeira dos Índios, Pão de Açúcar, Pariconha, Piranhas, Poço das Trincheiras, Quebrangulo, Santana do Ipanema, São José da Tapera, Senador Rui Palmeira e Traipu.

*Estagiária sob a supervisão da editoria