8 jun, 2019
Bolsonaro defende privatização dos Correios no Twitter

VEJA.com

President of the Chamber of Deputies Rodrigo Maia gestures during a meeting of the Pension Reform Commission with Brazil's president Michel Temer at the Planalto Palace in Brasilia, Brazil, April 11, 2017. REUTERS/Ueslei Marcelino

Bolsonaro disse que a venda da estatal ganhou força em seu governo

TNM/da Redação
O presidente Jair Bolsonaro defende a privatização dos Correios
Marcos Corrêa/PR
O presidente Jair Bolsonaro defende a privatização dos Correios O presidente Jair Bolsonaro voltou a defender a privatização dos Correios, nesta sexta-feira, 7, e disse que a venda da estatal ganhou força em seu governo. A manifestação foi postada em sua conta oficial no Twitter.

Para ele, a menor participação do Estado pode melhorar e baratear os serviços públicos. “Serviços melhores e mais baratos só podem existir com menos Estado e mais concorrência, via iniciativa privada. Entre as estatais, a privatização dos Correios ganha força em nosso Governo”, escreveu o presidente na rede social.

A manifestação do presidente no Twitter ocorre um dia depois de o plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) ter decidido, por maioria, liberar a venda do controle acionário de subsidiárias de empresas públicas e sociedades de economia mista, sem que para isso seja preciso aval legislativo ou processo de licitação.

A venda sem autorização do Congresso Nacional não vale, contudo, para empresas matrizes, como é o caso dos Correios, que ainda precisará de autorização parlamentar.

Não é a primeira vez que o presidente se manifesta a favor da privatização da estatal. Em abril, autorizou estudos para a desestatização da companhia. Em reportagem publicada na edição de VEJA desta semana, o presidente também defende a venda dos Correios. VEJA teve acesso a cálculos preliminares feitos pela equipe do governo.

As primeiras conclusões mostram que o tempo de vida útil para concretizar a venda dos Correios está em torno de cinco anos. Desde o início de 2018, a principal fonte de receita da estatal deixou de ser o monopólio postal — a entrega de cartas, largamente substituídas por várias formas de mensagem eletrônica — e passou a ser a entrega de encomendas, mudança impulsionada, sobretudo, pelo crescimento do e-commerce.

A questão é que a ineficiência da empresa na entrega final — que no jargão da área é chamada de “last mil delivery” — vem minando a participação dos Correios no setor. No prazo previsto pelo governo, as transportadoras privadas ultrapassarão a estatal na prestação do serviço. O ponto de virada inviabilizaria por completo a sua venda.

A participação dos Correios no setor de e-commerce caiu quase 20% nos últimos seis anos. Estudo conduzido pela Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (Abcomm) apontou que a atuação da estatal passou de 81%, em 2013, para 62,5% neste ano. No mesmo período, o uso de transportadoras privadas mais do que dobrou. O índice saltou de 15% para 33,4%.

“Temos de mostrar à opinião pública que não há outro caminho”, disse Bolsonaro, ao ser questionado por VEJA sobre o que o governo faria após a aprovação da reforma da Previdência. Não foi uma declaração de improviso: conselheiros próximos pediram ao presidente uma posição inequívoca em favor das privatizações.

De um lado, o recado serve para convencer membros do governo hostis à venda dos Correios (caso do ministro da Ciência e Tecnologia, o astronauta Marcos Pontes).

De outro, foi um sinal para técnicos do governo, que aceleraram a produção do estudo que norteará a venda da estatal. O calendário é apertado: como tudo na pauta econômica, as privatizações só serão discutidas depois da reforma da Previdência.

No entanto, os Correios caminham para a obsolescência tecnológica — e há o risco de não ser mais uma empresa vendável se o processo, ainda embrionário, não se concluir rápido.

Leave a comment

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>